Como definir salários e benefícios dos funcionários?

#Benefícios

Banner principal

por Piwi

Oferecer salários e benefícios condizentes ao mercado e ao desempenho dos colaboradores é um desafio. Por um lado, é preciso pagar o suficiente e atender às expectativas para atrair e reter talentos. Por outro, é preciso agir com cautela e não ultrapassar os limites e orçamentos da empresa.

Os valores pagos são como qualquer despesa comercial: devem ser vistos como um investimento e trazer retorno. É possível encontrar o equilíbrio entre a atração de talentos e a remuneração justa. Você vai conhecer, com as dicas que trouxe neste post, como fazer isso. Acompanhe!

Avalie o perfil dos profissionais

Salários e benefícios devem estar de acordo com o perfil dos colaboradores. Ou seja, é preciso conhecer e considerar as particularidades da sua equipe. Por exemplo, oferecer auxílio-creche para um time de profissionais maduros ou uma geração que não tem filhos pode não ser algo atrativo.

Idade, sexo, estado civil e remuneração média são informações indispensáveis para a contratação de um grande talento, mas devem ser apuradas logo que o candidato é promovido a colaborador. Dessa forma, é possível conhecer as verdadeiras demandas e estabelecer valores e incentivos com mais eficiência.

Analise o orçamento disponível

De modo geral, as empresas operam em modo de escassez. Não porque há pouco dinheiro em caixa, mas sim, devido aos limites financeiros. O próprio planejamento de recursos estabelece um teto máximo, que pode ser aplicado em relação ao capital humano. Para que o negócio não acabe prejudicado, é necessário respeitar essa margem.

Analisar o orçamento disponível não significa apenas ter o valor que pode ser gasto de maneira prática e objetiva. É necessário avaliar os relatórios referentes às operações contábeis, como fluxo de caixa e o demonstrado de resultados do exercício.

O mais indicado para que o orçamento não seja impactado, mas que a gestão de pessoas seja um sucesso, é equilibrar os valores financeiros a benefícios não financeiros.

Determine regras

Para que a empresa não perca a mão sobre o que é oferecido ao trabalhador, é preciso que salário, políticas de incentivo e benefícios sejam regidos por normas internas. Por exemplo, o empregador precisa ter muito claro se essas regras são válidas para todos os colaboradores ou se é preciso atingir algum resultado para que sua remuneração seja mais alta.

Faz parte desse processo avaliar os prós e contras do que é oferecido, definindo objetivos e enxergando com clareza quais processos devem acontecer para que empresa e colaborador saiam ganhando.

Defina o mínimo a ser pago

Avaliar o que o mercado oferece em relação aos salários e benefícios é fundamental para que a empresa saiba o mínimo que pode pagar se quiser construir uma equipe com os melhores talentos do mercado. Isso porque a expectativa dos candidatos é um reflexo do que é praticado pelos empregadores.

Ainda que o mercado subestime ou supervalorize esse valor, os profissionais esperam que o empregador pague pelo menos as taxas de mercado ou que ofereça vantagens que possam suprir o salário por meio do valor agregado.

Para descobrir qual a remuneração média, pesquise: entre em contato com outros profissionais de RH, agências de emprego ou caçadores de talentos.

Esteja aberto à negociação

Em uma entrevista, mostre que a empresa é flexível em relação à remuneração e esteja aberto a negociar. Um candidato pode respeitar as políticas de salário e benefícios oferecidos, mas aqueles que sabem o valor da sua experiência e capacitação, certamente, estarão dispostos a contestar.

Novamente, precisamos pontuar a necessidade de pesquisar o que é oferecido pelo mercado e estabelecer não apenas o mínimo a ser oferecido, como também o teto máximo.

É claro que todo profissional deseja receber o máximo possível e acredita no seu potencial. Para qualquer pessoa que você perguntar sobre o salário, até os mais bem-remunerados gostariam e aceitariam ganhar mais. Por isso, é muito importante estabelecer limites e, mesmo na flexibilidade, saber até onde você pode chegar.

Nessa etapa, também é fundamental entender o cargo em questão e a importância da função para o andamento dos negócios. Além disso, a relevância da bagagem do candidato para assumir o posto.

Agregue valor à remuneração

Mesmo após muita pesquisa, nem sempre é possível atingir as expectativas dos colaboradores ou manter o salário alinhado ao que o mercado oferece. Empresas maiores, que operam há mais tempo no mercado ou têm mais fontes de investimentos, podem oferecer uma remuneração um pouco melhor.

Agregar valor por meio de uma política de incentivos é fundamental para poder engrossar o holerite do colaborador. Como benefícios não são taxados, é possível fazer com que o dinheiro recebido renda mais durante o mês. Dito isso, é importante você saber que vale-alimentação e plano de saúde não podem ficar de fora desse pacote.

Mas saiba que pode não ser o suficiente, uma vez que é o básico oferecido por aí. Valorizar o que o candidato e o colaborador têm a oferecer demanda criatividade. Veja algumas sugestões:

  • descontos em escolas de idiomas;
  • convênios com universidades;
  • viagens corporativas;
  • benefícios financeiros relacionados às metas;
  • flexibilização da carga horária;
  • possibilidade de home office.

Crie um plano de implementação

Após verificar todas essas questões, é preciso estruturar um plano de implementação, permitindo que salários e benefícios possam ser adaptados conforme as necessidades do mercado de trabalho atual e do time de colaboradores.

Como já mencionamos, a remuneração paga aos contratados é um investimento. Por isso, é importante considerar as questões pontuadas ao longo do artigo e adotar métricas de avaliação.

Como todo colaborador deve conhecer e entender o que a empresa espera sobre a sua atuação, é preciso medir se as mudanças relacionadas ao pagamento realmente estão modificando os resultados para melhor. Os indicadores deverão ser definidos com antecedência e as equipes devem estar cientes disso.

Para que a sua empresa não fique defasada em relação aos salários e benefícios oferecidos pelo mercado e, com isso, acabe sofrendo os impactos relacionados ao aumento das taxas de turnover, é fundamental que essas questões sejam periodicamente estudadas e reavaliadas.

Mantenha-se informado sobre a gestão de recursos humanos. Siga nosso perfil no LinkedIn!